Pinacoteca e Jardim da Luz

Ainda em nosso dia passeando ao redor da Estação da Luz,  depois de almoçarmos no Acrópolis e na Casa Búlgara (já tem post aqui!) fomos em direção a Pinacoteca pelo Jardim da Luz, aí já aproveitamos e ficamos um tempo passeando por lá e conhecendo o aquário subterrâneo que tem meio escondido.

O jardim todo é muito bem cuidado e eles tem várias espécies diferentes de peixes e plantas, mas achei perigoso porque não vi nenhum policial por perto, sendo que é um parque que fica bem no centro da cidade, do lado da Cracolândia. Também tinham várias garotas de programa – tipo uma a cada 5 metros – chamando os caras que passavam ali no meio da tarde de uma sexta feira. Achei isso bizarro pelo horário.

1. e 2. Muita natureza – e história! – no meio do centro de São Paulo. 3. A lateral da Pinacoteca vista pelo parque. 4. Pedacinhos da Estação da Luz entre as árvores.

O jardim já fica nos fundos da Pinacoteca de São Paulo, que, depois do almoço, estava bem tranquila para de ver as exposições. A Pinacoteca foi o primeiro museu de arte de São Paulo e é um dos mais importantes do Brasil. Como tem várias exposições diferentes ao mesmo tempo, dá para ficar passeando lá dentro por hora e sair com a cabeça cheinha de inspiração. Para acompanhar o que está em cartaz, é só entrar no site.

Na nossa passadinha rápida, uma obra que chamou muito nossa atenção foi Fabíola – que, na verdade, são 400 obras que representam a Santa Fabíola em uma só sala. O criador, Francis Alÿs, foi procurando obras que representassem a santa em mercadinhos populares, antiquários e coleções particulares por toda Europa e América, para unir tudo em uma só exposição. Achei isso muito legal, já que as obras que viajam o mundo hoje com a exposição são de artistas populares, pouco conhecidos, não só os super renomados que estamos acostumados a ver por aí. Imagina o orgulho?!

Lendo mais sobre, descobri que a Santa Fabíola foi canonizada em 547 (!!) e é conhecida na Europa como a patronese dos pobres, das viúvas e dos casamentos. O mais legal é que mesmo tendo se tornado santa, ela nunca fez parte de nenhuma instituição religiosa, já que ela se separou e casou de novo, – o que a fez ser expulsa da comunidade cristã – e mesmo assim foi um dos grandes motivos para ela ser canonizada! Outro motivo importante foi que quando seu segundo marido faleceu, ela se dedicou muito a obras de caridade, entre elas o primeiro hospital popular de Roma. Para quem quer saber mais, sua história está contada no livro “Fabíola” (ou  “Igreja das Catacumbas”), que foi a obra que compartilhou toda sua trajetória para o mundo e colaborou para a santa a ficar tão famosa. Legal, né?

Quando você compra o ingresso da Pinacoteca do Estado de São Paulo, ganha o direito de uma visita gratuita no mesmo dia a Estação Pinacoteca, que fica perto dali. Acabamos perdendo a hora e não conseguimos entrar, mas o lugar é histórico e foi bem marcante principalmente durante a ditadura. Para quem não sabe, desde o Estado Novo ali era o DOPS, Departamento de Ordem Política e Social, que infelizmente ficou mais famoso durante a ditadura militar, por reprimir fortemente os movimentos políticos que iam contra o regime. Hoje, quatro das antigas celas viraram o Memorial da Resistência, uma homenagem aos que sofreram na ditadura – na minha opinião a parte mais interessante dali, enquanto nos outros espaços ficam exposições variadas. O lugar e todas as informações que estão espalhadas por ali deixam o clima bem pesado e fazem a gente lembrar o que aprendemos sobre essa época, as histórias de repressão e o período que até hoje ainda dá medo nos brasileiros. Foi ali que muitos que iam contra os nossos regimes ditatoriais ficaram presos, tipo Monteiro Lobato, o Mario Covas e o Lula.

Ali no cantinho esquerdo da foto vocês já conseguem ver nosso próximo destino:  Sala São Paulo! Fomos ver uma apresentação da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo. O lugar e a apresentação foram tão fantásticos que preferimos separar um post só para falar sobre isso, mas já adianto: todo mundo precisa assistir um dia. A sala é maravilhosa, a orquestra é fantástica e o valor da entrada inteira foi de R$60,00 num lugar bem bom. Vale a experiência!

Alguém aí acha que perdemos alguma coisa nos arredores da Estação da Luz? Conta pra gente nos comentários!

Mais Informações

Jardim da Luz
Como chegar: é só descer na Estação da Luz e seguir as placas, fica do lado!
Horário: de terça a domingo das 9h às 18h
Mais informações aqui.

Pinacoteca do Estado de São Paulo
Ingresso combinado (Pinacoteca e Estação Pinacoteca): R$ 6,00 a inteira.
Horários: terça a domingo das 10h às 17h30 com permanência até as 18h.
Às quintas até as 22h e com entrada grátis das 18h às 22h

Entrada grátis aos sábados.
Mais informações aqui.

Estação Pinacoteca e Memorial da Resistência
Endereço: Largo General Osório, 66
Ingresso combinado (Pinacoteca e Estação Pinacoteca): R$ 6,00 a inteira.
Horário: Terça a domingo das 10h às 17h30 com permanência até as 18h.

Entrada grátis aos sábados.
Mais informações aqui.

Comentários