Pra deixar Viena ainda mais linda: Palácio de Schönbrunn

No nosso último dia na Áustria, já completamente apaixonados pela capital, resolvemos dar uma passada no Palácio de Schönbrunn, “o Versalhes de Viena”, antes de pegarmos a estrada para a Eslováquia.

Indo para lá, estávamos com a ideia de que iríamos conhecer o palácio todo bem rapidinho para chegar logo na Bratislava, ainda mais porque descobrimos que a entrada do palácio era meio cara (15 euros) e já estávamos com a ideia de só ver os jardins e ir embora. Quão grande e lindo pode ser um jardim, né?

Só que a combinação de um jardim/parque de 160 HECTARES + o outono deixando tudo laranjinha + o fato de estarmos em Viena (tem alguma coisa nessa cidade que não é maravilhosa?) fez a gente ficar lá por três horas e ainda querer ficar mais! Sério, o espaço é imenso. Só para vocês terem ideia, olha só o tamanho do palácio comparado com o resto do parque todo nesta ilustração aqui:

O Palácio de Schönbrunn foi construído em 1638 como residência para uma imperatriz austríaca, mas foi tão destruído durante a Batalha de Viena – em que os austríacos, alemães e poloneses lutaram juntos contra o império otomano para segurar os avanços deles pela Europa – que acabou sendo totalmente reconstruído aos poucos. Só em 1743 ele acabou com a forma atual, bem parecido com o Palácio de Versalhes.

Desde sempre foi habitado por pessoas da corte e serviu de residência de verão para a família imperial da Áustria até o fim da Segunda Guerra Mundial. Para quem já viu os filmes de Sissi, a imperatriz da Áustria e rainha da Hungria, era ali que ela vivia. Inclusive, foi nesse palácio que a arquiduquesa Leopoldina de Habsburgo morou até casar com Dom Pedro I, o primeiro imperador do Brasil. Que mundo pequeno, né? Hahaha

O Palácio de Schönbrunn e seu jardim gigante são Patrimônio Universal da UNESCO e uma das principais atrações de toda a Áustria. Alguns exemplos do que você pode visitar só no jardim:

– o zoológico mais antigo do mundo
– um labirinto público
– o jardim botânico
– o jardim japonês
– o teatro do palácio
– a fonte de Netuno
– estátuas e ruínas romanas
– uma “experiência de deserto” que simula o bioma dentro de uma cúpula e tem animais que vivem nesse ecossistema
– a “Green House”, uma estufa criada para manter plantas de diferentes lugares do mundo em um ambiente controlado

Como estávamos sem vontade de entrar, sem muito tempo e no outono (muitas dessas coisas só abrem durante primavera/verão), só ficamos passeando pelos caminhos enormes dos jardins e vendo a paisagem maravilhosa. É incrível! A gente estava se sentindo realmente em um conto de fadas, com direito até a passarinhos pousando na nossa mão! <3

Os fundos do palácio dão para a Fonte de Netuno, atrás dela tem uma colina e em cima da colina fica o Gloriette, um espaço com grandes janelas de onde é possível ter uma vista linda da cidade toda e do palácio lá embaixo. Lá também fica um café para recuperar as energias de tanto andar pra lá e pra cá pelo jardim.

O Palácio de Schönbrunn foi um dos lugares mais incríveis que fomos na nossa viagem e é realmente uma parada obrigatória para quem vai a Viena. Uma coisa que deve ser legal é comprar o passe que dá direito a todas as atrações (ele fica disponível em só algumas épocas do ano) e passar o dia inteiro lá conhecendo tudo. Quando voltarmos pra cidade – e voltaremos, viu Viena? – certeza que vamos fazer isso.

No próximo post da viagem contaremos sobre nossa próxima parada, uma daquelas que a gente nunca pensou que visitaríamos tão cedo: Eslováquia!

Comentários