Barcelona, nossa nova casa

Chegamos em Barcelona no comecinho dessa semana, como vocês devem ter visto no nosso Instagram (não? Então segue eu e o  lá! :), e entre desfazer as malas, fazer compras para casa, trabalhar e descobrir os lugares certos e bacanas do nosso bairro, só conseguimos sentar aqui hoje para contar para vocês as primeiras impressões sobre a nossa mais nova cidade.

Nossa casa nova fica no meio do Bairro Gótico, o mais antigo e turístico de Barcelona. Totalmente o oposto de Berlim, em que vivíamos longe do centro, em uma rua extremamente silenciosa que nossa janela dava para uma praça enorme e direto para o canal. Hoje abrimos a janela para darmos de cara com uma ruazinha estreita que passam turistas noite e dia e com outro prédio há nem 5 metros de distância do nosso, todo feito de pedras. Em compensação, temos absolutamente tudo ao nosso alcance andando só alguns metros: dos pontos turísticos mais importantes da cidade, passando pelos supermercados, lojas, bares, parques, restaurantes, praias e tudo mais. Tem até um porto aqui do lado, caso a gente decida comprar uma lancha pra dar umas voltas pelo mar mediterrâneo (não custa sonhar, né?).

No começo, quando encontramos esse apartamento, ficamos um pouco preocupados com a localização pensando no barulho, no perigo, no excesso de pessoas o tempo todo, no passeio com os cachorros e em tudo que um lugar extremamente movimentado pode trazer consigo. Em Berlim nos acostumamos tanto com o silêncio e com a rua vazia que foi estranho até ficar em São Paulo, em um bairro residencial, no horário que os carros passavam para buscar as crianças nos colégios ao redor. Se isso já nos deu um choque, dá pra imaginar um bairro extremamente famoso dentro de uma das cidades mais turísticas do mundo?

É impressionante como nós, seres humanos, temos medo de mudanças. Foram só nove meses em Berlim que nos deixaram com a ideia de que aquele formato de vida que já tínhamos nos acostumado era o ideal e deveríamos seguir com esse padrão à partir de então. Pelo simples fato de que estávamos cômodos vivendo daquela forma. Eu conseguia enxergar nós dois como duas crianças abraçadas nos nossos cobertores do Snoopy com medo de seguir em frente e tentar alguma coisa nova, tipo um edredom macio.

Depois de muito refletir e brigar com a ideia de que tudo seria um desastre se nós não encontrássemos um apartamento em um bairro parecido com o de Berlim, decidimos largar mão de ser medrosos e abraçarmos a novidade mais uma vez. Nosso grande objetivo em viver viajando o mundo e morando um tempo em cada país é justamente viver contrastes e aprender a se adaptar a situações novas, crescendo com elas e vendo o lado bom de cada uma, então foi uma escolha bem acertada.

Para vocês terem uma ideia, o lugar que estamos, o Bairro Gótico, aparece em absolutamente todos os guias de Barcelona como “aquele bairro antigo que você precisa andar pelas ruazinhas porque elas são clássicas e incríveis”. Todos, exatamente todos os turistas que vem a Barcelona passam pelos arredores da nossa rua. E olha que não são poucos.

Nesses poucos dias aqui já pudemos perceber a mudança drástica que estamos enfrentando. Hoje cedo, por exemplo, um cara estava na rua de trás tocando gaita de fole por umas três horas seguidas. Embaixo da nossa janela passam vários grupos de pessoas falando – muitas vezes, alto demais – mil línguas diferentes. Toda vez que saímos, de manhã, de tarde ou de noite, tem pelo menos uma pessoa com uma câmera enorme na mão fotografando cada pedacinho da rua. Isso quando não está passando um grupo enorme de turistas que ficam encarando a Lisa enquanto ela faz seu xixizinho matinal tranquilamente. Até o fim da nossa estadia aqui, nossos cachorros já estarão famosos nas fotos de turistas chineses.

Em compensação, nas nossas poucas voltas pelo bairro já passamos por uma centena de pontos históricos, vimos lugares famosíssimos, descobrimos restaurantes e lojas legais e já encontramos um monte de lugares frequentados por locais que vivem e trabalham aqui, mesmo em meio a esse labirinto turístico. Viver aqui parece ser mais ou menos aquilo que falamos sobre explorar lugares diferentes mesmo quando todo mundo segue para um mesmo caminho . No caso, enquanto o grupo enorme de turistas segue para um canto, nós estamos lá do outro lado. Quando eles não estão e o lugar fica tranquilo, é só dar um pulo rapidinho, sem precisar se planejar para atravessar a cidade.

Aproveitar um pouco do que cada cidade tem a oferecer, de acordo com o bairro que você escolheu viver, é uma das coisas mais legais que descobrimos sobre esse nosso estilo de vida. Em Berlim, nós vivíamos na beira do canal curtindo uma praça muitas vezes só nossa. Conhecemos muito o centro, mas nos sentíamos em casa em meio aos turcos do nosso bairro. Aproveitamos todo aquele silêncio para aprender a viver em um país novo, curtir a natureza com a Lisa e o Luca, trabalhar ouvindo os pássaros cantarem e ter uma vida bem mais tranquila do que a que vivíamos em São Paulo. Barcelona, por outro lado, está me trazendo uma sensação mais exploradora, jogando um monte de coisas para nós fazermos bem na nossa frente em qualquer passeiozinho rápido com os cachorros. Só nosso bairro tem centenas de ruazinhas minúsculas e maravilhosas cheias de coisas para conhecer, e ainda mal tivemos tempo de sair do quarteirão.

As mudanças de lugar o tempo todo só precisam nos manter com essa ideia da transformação frequente dentro de nós, aprendendo com outras culturas, respeitando as diferenças e fazendo com que cada lugar nos presenteie com seus melhores hábitos e costumes. O mais importante é que tentamos lutar todos os dias contra a nossa tendência a nos manter na zona de conforto, mostrando o quanto o desconhecido é atraente e pode nos trazer coisas boas. Esse é nosso maior objetivo para a vida e também tudo que tentamos transmitir aqui no blog. Espero que essa ideia consiga chegar até aí. :)

Comentários