Descobrindo restaurantes secretos em Lisboa

Quando saímos do sul da Espanha para ir a Lisboa, muita gente nos falou sobre os restaurantes da cidade serem incríveis. Os portugueses comem mesmo muito bem, seja em restaurantes típicos, petiscos nos bares e também nas centenas de lugares de culinárias variadas espalhados por lá.

Mas vocês sabem que a gente adora o desafio de tentar descobrir aqueles lugares mais improváveis que servem comida boa, barata e que você nunca imaginaria que seria tão bem servido. Aqueles espaços que você pode passar na frente uma, duas, dez vezes e ainda assim vai continuar sem saber como as pessoas lá de dentro estão felizes com o preço que estão pagando e principalmente com o prato que estão comendo. Nós amamos lugares que você senta imaginando que vai comer um almoço ou jantar ok, sem nenhuma surpresa, e sai de lá fascinado querendo contar pra todo mundo o quanto ele é bom.

Em Lisboa, quase por acaso, acabamos descobrindo que existe uma ~máfia~ de restaurantes que não são legalizados por N motivos, mas continuam existindo dentro de prédios residenciais, lugares pouco frequentados ou até mesmo escondidos dentro de lojas. Falando a real, esses ambientes existem no mundo todo, inclusive em São Paulo (o Bom Retiro é um antro deles), e muitas vezes eles não são legalizados por nunca terem ido atrás de pagar impostos, não foram fiscalizados ou coisas desse tipo. E não, não é todo mundo que “se arrisca” a comer nesses locais. Nem mesmo alguns dos próprios portugueses. Talvez você não seja a favor disso. Talvez você tenha o estômago sensível. E tudo bem. Acontece.

Nós, no entanto, acreditamos que se tem tanta gente que frequenta ali, sempre come muito bem e nunca teve problemas, nós podemos experimentar também. Se fizer mal – o que não foi o caso de nenhum desses dois restaurantes que vamos indicar – acontece, não voltamos mais. Ninguém vai morrer. Se a experiência for boa, voltamos outras vezes e indicamos aqui no blog também. ;)

E, convenhamos, a regra é clara: quando você está buscando um restaurante chinês que seja tradicional e com comida boa, a melhor referência é olhar a quantidade de chineses que estão sentados nas mesas lá dentro. Isso se aplica em qualquer lugar de comida típica que você for: se tem muitas pessoas daquela nacionalidade ali dentro, pode apostar que a comida é, no mínimo, incrivelmente parecida com a do país de origem deles. Sempre funciona.

Importante ressaltar, também, que nós não temos a menor ideia se algum desses dois restaurantes são realmente clandestinos e escondidos da vigilância ou não. Eles são só bem escondidos do público – por estarem em locais de difícil acesso, não terem placas na frente e tal. Mas eles estão lá no nosso querido Foursquare e foram dos lugares que ficamos muito felizes de termos descoberto quando moramos em Lisboa.

Chinês Clandestino

No meio da Mouraria, esse restaurante chinês pode até não ser o mais underground dos restaurantes clandestinos do bairro, mas você precisa ir andando pela rua – que é bem tradicional – e olhando para o segundo andar, tentando encontrar alguma janela que mostre várias pessoas sentadas em mesas, luzes acesas e garçons andando para lá e para cá. Encontre a porta do prédio residencial, suba as escadas e voilà: um salão grande, com mesas de todos os tamanhos e muitos garçons que não falavam nem um A em português.

Esse Chinês Clandestino – chamamos assim porque é como aparece no Foursquare :P – tem um menu enorme e cheio de coisas que nunca vimos antes em nenhum outro restaurante chinês. A comida vem em pratos simples, os copos são de plástico, não tem nada muito arrumadinho e a cozinha é aberta para as pessoas assistirem eles preparando tudo. Eles também tem várias opções vegetarianas e muita gente tava até bebendo sangria!

Nós pedimos uns pratos meio na sorte, acompanhado de cervejas chinesas. Tudo BEM barato e justo. Não é o melhor restaurante do planeta, mas é das coisas mais incríveis na hora de pagar.

Uma coisa engraçada é que a moça que atendia nossa mesa não falava absolutamente nada em português, e de repente ela entregou uma cestinha com alguns pães chineses para nós. Tentamos perguntar se eles tinham errado o prato ou se estava incluso, porque não eram todas as mesas que recebiam o negócio. E a moça não entendia absolutamente nada. Depois de tentarmos por mímica, o Fê pegou o celular, digitou “What is that?” no Google Translate, transformou pra chinês e mostrou pra ela, jurando que isso nunca ia funcionar. Ela leu e respondeu “Oferta! Oferta!” dando risada. Foi o mais próximo que a gente já chegou da China até hoje.

Chinês Clandestino (sei lá se tem um nome oficial)
R. da Guia, 9 | Foursquare

Restaurante Indiano Caxemira

Enquanto o Chinês ainda era mais fácil de encontrar por conseguirmos ver as pessoas na janela, mesmo indo na hora do almoço procurar o Caxemira, nós quase desistimos. Não sabíamos que ele era tão escondido, não encontrávamos o número, todas as lojas do quarteirão estavam fechadas e a rua ficava bem perto da Praça Rossio, uma parte bem famosa e cheia de gente de Lisboa.

Quase deixando pra lá e indo comer em casa, lembramos da nossa experiência com o chinês clandestino e resolvemos atravessar a rua pra ver se tinha algum movimento nos andares de cima. E lá estavam algumas pessoas comendo atrás de letreiros das lojas, nada muito óbvio. Subimos  as escadas de um prédio antigo, residencial, e logo no primeiro andar estava uma porta meio estranha, com um cardápio em indiano e em português. Entramos, meio desconfiados, e os atendentes foram bem simpáticos, já nos indicando uma mesa.

Na hora de pedir, a gente chamou o garçom e falou “você que manda!”. Ele só perguntou que tipo de prato a gente queria – vegetariano, frango, cordeiro – e se era pra ser apimentado ou não, aí mandou um “pode deixar comigo que a gente cria aqui!”. Do jeito que a gente adora.

Sou suspeita pra falar porque sou apaixonada por comida indiana, mas a comida de lá é maravilhosa. Os preços são surreais de baratos para o padrão de Lisboa, o lugar é bem limpinho, arrumado e encontramos com muitas pessoas de terno e gravata no horário de almoço por ali. Se decidir ir conhecer o Caxemira, não precisa ter medo de entrar na única portinha residencial que aparecer na rua indicada: você vai achar e ser muito feliz por isso.

Caxemira 
R. Condes de Monsanto, 4 | Foursquare

 

Essas foram nossas duas experiências ótimas em Lisboa procurando por esses cantos escondidos, com preço bom e comida maravilhosa. No fim, dá pra achar muitas indicações desses restaurantes secretos no Foursquare, Yelp, Zomato ou só fuçando em blogs mesmo. Acho que é uma das experiências mais legais em uma viagem ou morando em algum lugar: conhecer aquele canto com comida maravilhosa, preço justo e que você normalmente não precisa esperar horas na fila. Nenhum dos dois nos decepcionou!

Você já conheceu algum restaurante secreto em algum lugar? Onde? Qual? Era incrível?! Conta aí, vai!

Tags from the story
, , , , ,

Comentários