Mitos de Viagem (e porque não acreditar neles)

Mitos sobre viagens e porque não acreditar neles

Viajar é uma experiência muito pessoal. Mesmo acompanhando blogs que falam sobre os lugares que você quer ir, lendo guias e procurando o máximo de informações sobre seu futuro destino, uma vez que você pisa ali a coisa muda completamente de figura. Com tanta informação misturada e tantos preconceitos criados ao redor do tema “viagem”, muitas vezes acabamos com ideias na cabeça que nunca foram nossas, quase que por osmose. E não só sobre esse tema, né?

e porque você não deve acreditar neles

“Viajar não cabe no meu bolso”

Existem milhares formas de viajar. Enquanto você vê que não tem como pagar a hospedagem de uma semana num hotel que pesquisou meio por cima, com metade do valor tem gente passando duas semanas em um hostel ou até dormindo de graça na casa de alguém muito gente boa que conheceu pelo Couchsurfing. Viajar pode ser caro como qualquer coisa na vida, mas também pode caber no seu orçamento apertado. Você só precisa fazer as escolhas certas, que vão de acordo com o estilo de viagem que você quer ter + o dinheiro que está disposto a gastar, sem fazer dívidas para quando voltar (por favor, né?).

Se o problema é que a passagem é muito cara (e esse é um gasto que não dá pra fugir muito, infelizmente), tente ficar de olho no Skyscanner algumas vezes por semana esperando as promoções, ou escolha um lugar que vá de acordo com o seu budget. Mesmo fazendo as escolhas certas, ir a Paris ou a Nova York invariavelmente tem um gasto básico mais alto do que explorar a Colômbia. E conhecer lugares um pouco menos turísticos pode te surpreender muito!

O post Morar fora: Passo a Passo para mudar de país que fizemos há algum tempo pode te ajudar MUITO, mesmo que você só queira viajar por um mês. Criamos uma calculadora de gastos que vai te dar uma luz de quanto você precisa para ir até onde quer e ainda tem várias dicas de como ganhar e economizar dinheiro. Dá uma olhada lá!

“O mundo é um lugar muito perigoso”

Esse é aquele tipo de mito que você ouve a sua tia falar no Natal e acaba voltando com isso na cabeça toda vez que vê uma notícia no jornal. O mundo é feito muito mais de pessoas boas do que ruins. É claro que você não deve fechar os olhos e sair andando acompanhando qualquer um que conhecer há 5 minutos, mas dar o mínimo de abertura para conhecer pessoas e lugares novos é o que vai te fazer crescer. Tanto na sua própria cidade como em qualquer lugar do mundo. Existem lugares que você deve evitar, é claro, assim como eles existem em qualquer lugar que você more, mas tomar cuidados básicos para não cair em roubadas é algo que você já faz até no seu próprio bairro.

Esse TEDx com o criador do Humans of New York – a melhor página de todo o Facebook – fala bastante sobre isso. Vale muito a pena assistir!

“Todo mundo do país é desse jeito”

A prima da sobrinha da sua vizinha conheceu um inglês que era super grosseiro. Esse cara define o que são todos os ingleses? Não. Assim como eu sou brasileira, não gosto de futebol e (infelizmente) não sei fazer uma caipirinha decente. Não é porque você ouviu uma história que espreme toda uma nacionalidade em um só buraco quer dizer que o povo todo daquele lugar seja assim. Não importa se a justificativa é que “eles foram criados dessa forma” ou qualquer outra explicação tentando racionalizar um comportamento. Já pensou que chato as pessoas descobrirem que você é do Brasil e já vomitarem um monte de estereótipos que você não se encaixa em nenhum? Não se deixe levar por boatos ou histórias. Primeiro vá até lá, conheça o povo, interaja, faça amigos e depois volte com suas próprias impressões. Não se deixe levar pelos boatos e julgamentos dos outros. 

“Você vai passar mal com a comida”

Já vi gente falando sobre só comer em “lugares confiáveis”; só comer comida do hotel; só ficar no fast food para não “arriscar”, várias estratégias para fugir ao máximo da comida de um lugar novo. A primeira coisa que eu faço quando chego em um lugar é descobrir onde os locais almoçam todos os dias. “Qual é o PF dessa cidade?” e “Onde se come bem e barato a comida tradicional daqui?” são minhas primeiras questões (até porque eu tô sempre pensando em comida). Tem coisa mais legal do que explorar uma cidade por completo, testar opções novas e ficar maravilhado por aquela comida super diferente que você nunca imaginou que existia (e que você ia gostar!)?

Leia também: De reais para dólares – Transferindo o seu dinheiro para o Canadá da melhor forma!

A culinária define MUITO a cultura de um local, e quanto mais perto você chegar dos lugares que os locais frequentam, mais vai encontrar especiarias e viver experiências únicas. Talvez o tempero, a pimenta ou o prato específico seja algo que realmente possa te fazer mal, mas já vá preparado com remédios para evitar perder um dia de viagem. No dia seguinte você já vai estar pronto para outro prato incrível que você nunca mais vai ver fora dali. Não desperdice sua viagem comendo o lanche de sempre no Mc Donald’s. Se acabar a madrugada no fast food de sempre, pelo menos tente escolher a opção que só vende por ali.

“Não vou conseguir me virar sem falar a língua do lugar”

Na maioria dos casos, um guia de conversação “Português – Língua X” ou um bom dicionário no celular já resolve 80% dos seus problemas nessa questão. Dependendo do país que você quer conhecer, isso pode realmente ser um problema, mas aí é só se programar e se esforçar para aprender a pronuncia básica de algumas coisas e levar algumas várias anotações contigo para não cair em alguma roubada. Tá aí a internet inteira para te ensinar um pouquinho. Na maioria dos países, no entanto, se você tem um guia do país, ele já te dá o básico: como falar oi, pedir desculpas, dizer que não fala a língua, pedir uma cerveja e perguntar onde é o banheiro.

Se você fala inglês – e essa é uma habilidade que vai te ajudar muito se você quer viajar o mundo –, é bem provável que alguém por perto vai poder te ajudar e facilitar sua vida. Na pior das hipóteses, preste atenção no que as outras pessoas fazem ao seu redor, não tenha medo de parecer maluco e abrace a mímica como sua melhor amiga. Você provavelmente nunca vai perder uma reserva de hotel, não conseguir voltar para casa, comer algo envenenado ou mergulhar num rio de jacarés por não falar a língua do país. Juro.

Da próxima vez que aquela pontinha de insegurança aparecer na sua cabeça chutando todos os seus planos de conquistar o mundo país por país, corre pra cá que te tiramos do universo paralelo que viajar é um bicho de sete cabeças. :)

Comentários