Vida de nômade digital: como diminuir o peso da mala usando tecnologia

Quando decidimos mudar nossa vida para nos tornarmos nômades digitais e viver uma temporada em cada país do mundo, tivemos que escolher cuidadosamente cada uma das coisas que iriam nos acompanhar para diminuir o peso da mala. Nossos livros, coleções, excesso de roupas, sapatos e acessórios, decoração e qualquer outra coisa que não fosse essencial deveria ficar para trás: ou doava, ou colocava em uma caixa de papelão pra guardar nos fundos da casa de alguém até sabe lá quando, ou vendia.

Como falamos por aqui, a quantidade de coisas que poderíamos ter precisava se resumir a duas malas de 23kg – o mundo todo só aceita malas de 23kg, muitas vezes uma só, exceto o Brasil – e uma mochila. Pensando em tudo que você tem no armário, nem parece tão pouco assim. Mas é preciso transformar várias peças de roupas em uma só, priorizar sapatos do dia a dia e fazer um exercício diário em cima dessa mudança radical e enxergar o que você possui com outros olhos. Quando começamos a viver viajando, abrimos mão das nossas coleções, de kilos e mais kilos de roupas, maquiagens, estantes enormes de livros, computadores, sapatos, videogames e boa parte do que nos acompanhava há muitos anos para diminuir o peso da mala.

Isso já faz quase um ano, e de lá pra cá fomos aprendendo a trocar quase tudo que temos por eletrônicos que ocupam pouco espaço, possuem muitas funcionalidades e não pesam muito na mala. No fim, o que ainda pesa são roupas e coisas bem específicas, como equipamento fotográfico. Aqui estão algumas dicas do que levamos e como usamos os eletrônicos a nosso favor.

Minha estante de livros! E agora?

Acho que já rolou um preconceito com livros digitais na cabeça de todo mundo, e com a gente não foi diferente. Somos loucos por livros, compramos vários sempre que viajamos e tivemos que trocar todos eles por um Kindle Paperwhite.  E ele mudou totalmente nossa ideia sobre e-readers.

O Kindle é um produto extremamente fácil e gostoso de ler. Você economiza kilos na bolsa enquanto lê livros enormes e consegue segura-los com uma só mão. Sempre que a gente encontra um livro que parece legal, mandamos uma amostra gratuita pro nosso aparelho. Aí é só ler o comecinho, e se for legal comprar com um clique.

Além de toda a praticidade, ele te incentiva a ler mais, já que você pode carregar milhares de livros para qualquer lugar. Em preto e branco eles são ótimos para textos, mas bem ruins para guias ou livros com muitas imagens ou layout diferente. Para isso, e também para várias outras coisas, usamos o iPad, seja no app do Kindle ou em PDF.

Ainda dá muita saudade de ter livros, fazer coleções, dispor os mais bonitos na escrivaninha e sentir aquele cheiro de livro novo quando você entra na livraria. Mas fazer o que, né?

DVDs e cinema viraram Netflix

Essa é uma troca natural para quase todo mundo. Dizer adeus às coleções de DVDs de séries e começar a consumir mídia pela internet é um caminho que todos nós estamos fazendo. A única diferença é que nos acostumamos a assistir mesmo as séries e filmes com gráficos incríveis nas nossas telinhas do notebook. Cinema, então, em países diferentes é ainda mais difícil de ir. Mesmo aqui na Espanha, que falamos espanhol, acabamos preferindo aproveitar outras coisas da cidade a ir ao cinema. Para isso, usamos muito o Netflix, e uns tios de uns amigos nossos falaram que tem um aplicativo aí bem útil também para ver filmes e séries ainda não lançados oficialmente, mas a gente não vai dar o link porque baixar conteúdo ilegal é coisa feia e a gente não faz isso. ;)

Cadernos dividem espaço com o iPad

Nós sempre usamos muitos cadernos. Para desenhar, criar esquemas, gráficos e anotar todo o tipo de coisa. A Debbie, inclusive, coleciona cadernos. Então não deu pra se desfazer de absolutmente todos os cadernos. Cada um de nós carrega um, mas boa parte das nossas anotações, especialmente as relacionadas a trabalho, acabaram indo para o iPad. Com o app Notability você pode colocar qualquer arquivo lá dentro, escrever em cima do texto, riscar e rabiscar como se fosse uma folha impressa, usando zoom e várias formas de anotações. Isso salva a nossa vida e umas árvores que antes eram desperdiçadas quando imprimíamos briefings e coisas assim.

Outro aplicativo que ajuda muito na substituição do caderno e que muita gente já deve conhecer é o Evernote. Nesse exato momento, estou escrevendo o post nele. Usamos para anotações de aulas, projetos, referências e ideias. Nossa vida toda está no Evernote. É como se fosse um caderno que você pode fazer colagens de uma forma fácil, fazer buscas quando perdeu aquela anotação importante e compartilhar com quem você quiser. O Evernote é um dos serviços digitais que pagamos anuidade e que vale cada centavo.

Ah! Isso não significa que a Debbie abandonou a coleção de cadernos dela, viu? Ela sempre manda para o Brasil alguns que compramos viajando.

E o videogame? Como levar o videogame?

O Fê jogava bastante videogame antes de mudar de São Paulo para Berlim, mas o XBox teve que ficar por lá. Quando começamos essa vida de pular de lugar para lugar, nós dois sentíamos falta de jogar alguma coisa. Mesmo pelo Steam, no computador, ou com jogos do iPad, nunca é a mesma coisa. A solução que encontramos foi comprar um controle de XBox com USB, conectar no notebook e usá-lo como controle para todos os jogos.

Além do Steam, dizem por aí que é possível baixar emulador de Nintendo 64, Gamecube, Gameboy, Super Nintendo, Playstation 2 e jogar esses jogos mais antigos. Mas a gente não sabe de nada, porque isso aí também seria ilegal, coisa que não fazemos, né? ;)

De qualquer forma, não é a mesma coisa, o processamento não é o mesmo e você acaba não conseguindo jogar todos os jogos que acabaram de ser lançados, mas ajuda muito a matar a vontade do videogame.

O que fazer com as fotos? E pra manter tudo seguro?

Como usamos notebooks, nossos HDs não são lá muito grande para mantermos todas as fotos que tiramos (e vocês sabem que são muuuuitas!). Nossa solução foi ter um HD externo só para elas com uma biblioteca própria no Lightroom, o programa que usamos para editar fotos, e só mantermos elas ali até durante a edição. Economiza um milhão de gigas nos nossos computadores e ainda as mantém em um lugar seguro.

Junto disso, temos um outro HD só para backup, que fazemos toda semana pelo Time Machine do Mac, e utilizamos uma conta premium do Dropbox para ter um outro backup na nuvem, onde ele está realmente seguro de qualquer assalto ou problema físico. Ouve a gente, que já fizemos muita cagada na vida com isso: é essencial ter backups. Especialmente se você leva sua vida de um lado pro outro, onde sempre pode acontecer um problema.

 

Essa é só uma pequena lista das substituições que tivemos que fazer e algumas adaptações para uma vida mais digital e menos cheia de coisas nas mãos. É claro que tem muita coisa digital que também precisamos ter nas mãos, mas todos os dias tentamos diminuir isso de alguma forma e transformar nossa vida o mais online possível. Estamos pensando em criar um post só com os apps que utilizamos para nos ajudar nessa vida nômade e um outro com o que normalmente carregamos nas nossas mochilas. O que acham?

Comentários