6 lições que aprendi em 2015 – e vou levar comigo

Olá, leitores kiridos! Feliz ano novo! Já estamos em Janeiro, mas ainda é uma boa hora para falarmos sobre como foi esse 2015 louco que todos nós vivemos, não é?

Esse ano que passou foi nosso segundo vivendo como nômades digitais. Já são quase dois anos completos ~na estrada~, viajando o mundo e trabalhando ao mesmo tempo, e ainda assim tivemos coisas demais para aprender, errar e mudar. Bem mais coisas do que imaginamos!

Por vários motivos, 2015 foi completamente diferente de 2014, especialmente porque ficamos muito menos tempo nos lugares e mudamos, em média, uma vez a cada dois meses de cidade ou país. Para alguns outros nômades, pode até ser muito tempo, mas vocês sabem que a gente adora uma slow travel intercalando uma vida normal em uma cidade nova, fazendo amigos, descobrindo lugares, criando uma rotina para os nossos cães e, só então, partindo para um próximo destino.

Essa foi a forma que, nesse ano, melhor funcionou para nós dois. E por causa dela – e várias outras situações do nosso 2015 – que aprendi algumas lições que queria compartilhar com vocês nesse comecinho de ano.

Essas são seis lições que aprendi em 2015 e quero levar comigo daqui em diante. <3

Criatividade precisa ser exercitada

Nesse ano eu me obriguei a escrever uma história de ficção, de 50 mil palavras, em um mês. Nunca tinha feito nada parecido antes, apanhei pra caramba mas, adivinha só? Eu consegui! Mesmo sem inspiração em vários dias, mesmo gripada, mesmo com preguiça. Coloquei minha bundinha na cadeira e simplesmente escrevi. Muita coisa saiu ruim, mas muita coisa saiu boa também. Finalmente entendi que não existe “bloqueio criativo”. Existe esforço. Se você realmente quer se comprometer com alguma coisa, não precisa esperar os planetas se alinharem para ir lá e fazer.

Diga não aos dias nulos

Se você quer realizar alguma coisa, precisa trabalhar naquilo todo-santo-dia. Nem que seja só dez minutos, nem que fique horrível, nem que você odeie tudo que está fazendo e não se sinta inspirado. Faça algo todos os dias em direção ao seu sonho. Sem excessão. Falamos disso no #AgarreSeuSonho, nosso primeiro ebook, e também no nosso mailing, mas não custa reforçar sempre.

Divida todos os dias entre trabalho e lazer/estudo

Essa é a lição que mais queremos levar para 2016. Como ficamos menos tempo morando nos lugares, tivemos que aprender a balancear o tempo de trabalho com nosso tempo de lazer, para conseguirmos sair e viver a cidade também. E não tem a ver, necessariamente, com trabalhar menos, mas com trabalhar melhor. Testamos umas mil fórmulas até encontrar uma que funcionasse melhor, mas ela foi mudando ao longo do tempo e acho que vai se adaptar muito mais. Por isso, vamos deixar para compartilhar  essa ~técnica~ quando realmente tivermos descoberto um pouco mais sobre o que é ideal para nós.

Cuide de si mesmo e se ame mais

Essa aqui eu venho aprendendo na marra há vários anos, mas esse ano eu finalmente comecei a entender o real significado de me amar mais. Eu sou uma pessoa muito crítica comigo mesma. Daquele tipo que fica remoendo a conversa que teve com os amigos por duas semanas, porque não disse exatamente o que queria ter dito e fica se sentindo uma idiota. Esse ano, graças a meditação, ao feminismo e a exercícios diários de aceitação e respeito a mim mesma, eu finalmente entendi o que isso significa. Ainda é difícil, mas esse ano eu aprendi muito sobre como me aceitar e me amar, a cuidar melhor do meu corpo, a entender o que acontece com ele e com a minha cabeça e mudar minhas ideias para coisas mais positivas, me sentir mais grata e ser mais leve comigo mesma. E isso mudou completamente a visão que eu tenho do mundo ao meu redor também.

Você não é o que você pensa ou sente

Meditar é uma coisa que está sempre me ensinando coisas novas. E esse foi um dos melhores aprendizados desse ano. Meus pensamentos são meus, mas eles não me definem como pessoa. Nós pensamos milhares de coisas todos os dias, das mais bizarras às mais sérias, e só nos agarramos naquelas que achamos que nos definem como humanos, deixando o resto ir embora. Quando, na verdade, o que nos define mesmo é o nosso comportamento. O hoje. O agora.

Tanto faz a tonelada de questões que passam pela sua cabeça. Ouça, ria delas, ignore e continue no caminho que você sabe que é certo. Sua cabeça vai transitar por bilhões de ideias todos os dias. Mas é você que controla sua vida e suas atitudes, não seus pensamentos ou sentimentos.
Esteja onde você quer estar. Não onde sua mente te levar.

Esse texto e esse podcast aqui falam mais sobre isso. (ambos em inglês)

A sua transformação só depende de você

Acho que depois de entender que eu devo me amar mais e não levar meus pensamentos tão a sério, ficou quase natural cair na real que a minha mudança, meu crescimento como pessoa, não depende de absolutamente mais ninguém. Isso já é uma coisa que venho falando por aqui há tempos, mas é impressionante como podemos transformar completamente o nosso próprio dia só usando nossa mente. E isso faz muito mais sentido hoje do que fazia há um ano atrás.

Eu costumava deixar uma só coisinha que deu errado destruir a minha semana inteira. Hoje eu vejo o quanto eu era vulnerável, esperando como o mundo, as pessoas do ônibus, minha família, o trânsito, todas as coisas ao meu redor iriam reagir a mim, para só então definir se eu teria ou não um dia legal. E é horrível deixar seu bom humor, seu otimismo, sua felicidade na mão de um bando de gente. Porque a vida tá aí cheia de merda o tempo todo mesmo, e tudo bem. Seu dia não merece acabar por isso. Respira fundo, abre um sorriso e segue em frente. É o que eu venho tentando fazer há um tempo – e tem funcionado cada vez mais.

Essas são algumas das lições que os últimos 365 dias me ensinaram e quero levar sempre guardadas no meu bolso, para não esquecer mais delas de hoje em diante.

Qual foi o maior aprendizado que você teve em 2015 e que quer levar para o seu ano novo? Conta pra gente aqui embaixo! <3

Comentários